segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

2013, seja bem vindo :)

2012 foi um ano bom sim.
Apesar do meu drama dizendo que foi o pior ano da minha vida...
São as experiências ruins que mais te ensinam a olhar com mais clareza para frente... Ela ficam em nossas memórias durante um bom tempo e nos ajudam a amadurecer e crescer de uma forma que as experiências boas não conseguem ajudar..
Perdi meu cãozinho, passei por fases terríveis, e posso dizer que em nenhum momento estive sozinha!
Muitos que eu achava que eram apenas colegas, se mostraram amigos. Amigos daqueles que ficam até de madrugada jogando conversa fora, e não se importam de escutar a mesma conversa dez vezes. Pois sabem que isso faz parte do processo e não se importam.
Queria muito poder citar nomes, mas nao quero ser injusta e deixar alguns pra trás..
Sei que um ano é apenas um número, mas essas superstições de que o ano novo traz melhorias, mudanças, e que vc pode fazer desejos e torcer para que eles sejam realizados, me dá uma esperança de que o mundo vai ser melhor, e sua vida vai ser outra.
Desejo de coração um excelente 2013 à todos os meus amigos, familiares e pessoas que acabaram de entrar em minha vida, e daquelas que saíram dela também.
Que o novo ano que se inicia possa trazer não só coisas boas, mas esperança!
Aprendi que a mudança nao vem com o ano, e sim de dentro de nós!
Se não mudarmos nossa cabeça, não deixarmos para trás as mágoas, as dores, e as decepções, o futuro brilhante que nos espera não terá espaço nenhum para entrar em nossas vidas.
Aprendi também a viver o HOJE. Sem pensar muito, sem planejar nada. A filosofia do 'deixar acontecer' é a melhor que conheço até agora. E é assim que vai ser daqui pra frente.
Vou parar de me preocupar com coisas que não me adicionam, e vou apenas viver.
Aproveitar todos os minutos ao lado que quem eu amo e de quem me quer bem.
Enfim, que Deus possa iluminar nossos caminhos sempre!
Um Feliz Ano Novo à todos os meus amigos e familiares.
E que a paz reine cada dia mais no nosso mundo.

Beijo no coração de todos, e bora comemorar ♥

domingo, 2 de outubro de 2011

Realizar algo desejado por 21 anos...

Obrigada pai, obrigada mãe!
Minha paixão por inglês começou quando eu comecei a fazer inglês com 11 anos no CCAA. Devo 50% da minha paixão ao CCAA e o outros 50% aos meus professores de inglês.
Desde o Junior 3, meu primeiro livro no CCAA, percebi que não poderia viver sem estudar línguas. Descobrir algo novo a cada dia que ia a aula, ou chegar em casa e aprender algo fazendo as lições. Para mim tudo aquilo era super legal.
E então o tempo foi passando. Comecei a ouvir músicas, e compreendia parte delas. Cada palavra que eu entendia era motivo para comemorar. Sentia-me orgulhosa quando conseguia traduzir uma linha de uma música sem olhar a tradução no vagalume (todo mundo usava o vagalume naquela época, não sei se ainda usam hoje).
Passaram-se mais alguns livros, e eu podia entender filmes com legendas em inglês. Nossa, era o máximo! Assistir um filme com legendas em inglês e entender (quase) tudo era uma conquista muito grande para mim.
Assistir seriados americanos, ouvir aquele sotaque enrolado, as palavras grudando uma na outra, as gírias... Tudo aquilo da tv me arrepiava. Minha vontade era viajar, sair do meu país e conhecer o mundo. Conhecer gente diferente, ter amigos de outros países, poder falar inglês o tempo todo, usar tudo aquilo que eu aprendi e que estudei com tanto amor e dedicação.
E meu sonho parecia estar tão longe de se tornar realidade. Comecei a fazer faculdade, e a ideia de sair da minha cidade e ficar um tempo fora de certa maneira me apavorava um pouco.
Ficar longe de casa, da família, dos amigos, do namorado...
Ficar longe de tudo aquilo que eu consegui, meus empregos...
Sonho é sonho...

Não tinha vontade de ir para os Estados Unidos, nem de vir para o Canadá, nem de ir para qualquer lugar da Europa. Só tinha vontade de sair, e poder falar inglês. Conhecer gente de fora.

E graças aos meus pais, estou aqui no Canadá hoje. Tenho amigos da Coréia de Sul, da Turquia, do Japão, do México, do Canadá, da Venezuela, da Arábia Saudita. Conheci gente do Irã, Cazaquistão, Peru, Austrália, França, Itália, África do Sul...
E tenho uma família das Filipinas. Uma mãe baixinha, uma irmã pequenininha, e um irmão que é quase do meu tamanho. E eu prometi a eles: quando eu for embora de vez para o Brasil, minhas férias eu vou passar aqui. Vou voltar sempre, pois tenho uma casa aqui. Tenho pessoas que amo, e que cuidaram de mim durante todo esse tempo que estive longe de casa

Isso tudo num lugar só. Conheci gente do mundo todinho, fiz amizades que vou levar pro resto da vida. Tudo aqui no Canadá.
Serei eternamente grata aos meus pais por isso. Sei que um intercâmbio é questão de oportunidade, e sou muito feliz por ter tido a minha.
Ficar longe de casa não é fácil. Demorei alguns meses até me acostumar. Fui para o Brasil, fiquei quase dois meses, depois voltei para cá. E só agora me sinto bem aqui.
Todos os dias bate aquela saudade de casa, aquela vontade de estar perto de quem a gente ama.
Mas a oportunidade é única, o país é maravilhoso, e esse era meu sonho.

Que agora virou realidade :')

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Últimos momentos no Brasil

AVISO: Empolguei muito. Esse post está enorme e contém várias fotos. Hahahaha.

Hoje estou aqui para falar sobre as despedidas que tive. Primeiro gostaria de agradecer os elogios, comentários e recados que recebi. Não escrevo todos os dias porque meus posts são diferentes. Só consigo escrever quando estou inspirada. :)
Bom, minha última semana no Brasil foi super corrida. Queria me despedir de todo mundo, mas não sabia como. A primeira despedida que fiz na verdade, não foi na última semana, e sim na antepenúltima. Trabalhava como estagiária no FORUM, e meu último dia lá foi numa quinta-feira. Foi muito divertido. Chamei as pessoas que eu tinha mais amizade e nós comemos salgadinho com refrigerante.


Não posso deixar de agradecer a Cacilda, o Marcelo, a Mara, a Regina, a Desiree e a Tania. Pessoas maravilhosas com quem trabalhei durante três meses. Obrigada por tudo o que vocês me ensinaram, pelas manhãs divertidas, e pela nossa amizade. Nunca vou me esquecer de todo o apoio que tive de vocês. Não teve um momento em que não e senti em casa, e eu devo tudo isso a vocês.
Obrigada, de coração :)

A segunda despedida foi em Franca, na minha última semana. Combinei com minhas amigas e fui até lá numa quarta-feira para dizer tchau. Foi muito gostoso. Ficamos no shopping, andamos bastante por lá, comemos no McDonald's... Acho que a minha ficha ainda não tinha caído de que eu estava indo embora no domingo, então tudo era alegria pra mim. Poder rever minhas amigas da faculdade (que são umas das únicas verdadeiras que eu tenho), jogar conversa fora, dar risadas... Tarcinha, Tamy, Flavinha, Evelyn, Letherson e Elieder... Muito obrigada por irem até lá se despedirem de mim. Não podia ir embora sem dme despedir. Parte da minha vida, da minha história eu passei ao lado de vocês.

Vou sentir muita falta das aulas, dos barzinhos, das lojinhas... De tudo o que nós passamos juntas! Foi uma pena não poder ver a Cissa e a Camila, já que uma é intenacional e a outra não pode estar presente.

Minha terceira despedida foi na quinta-feira (27/01/2011). Combinei com os meus alunos de ir ate lá para que eu pudesse vê-los novamente. Não queria ir embora sem ver todas aquelas carinhas que conviveram comigo todos os dias da semana durante o ano de 2010. Já esperava que a maioria não compareceria, pois nas férias fica difícil de se comunicar com todo mundo. Muito obrigada, Jéssica, por ter ido até lá. E me desculpe por ter chegado atrasada e não ter dado tempo de te ver. Bruno, Diego e Wallas, foi muito importante pra mim poder vê-los naquele dia :)
E a todos aqueles que não puderam ir, obrigada mesmo assim. Cada um de vocês marcou a minha vida de uma maneira diferente. Nunca vou me esquecer das nossas tão divertidas aulas. Obrigada por colorirem minnha vida :) Espero poder revê-los quando retornar ao Brasil.






Paula, FabianaS, Andréia. Nossos momentos, nossa amizade, nosso companheirismo, nosso CCAA. Tudo foi mágico, divertido, maravilhoso. Foi muito bom trabalhar com todas vocês. E é muito bom saber que nossa amizade ainda permanece, apesar da longa distância. Obrigada por tudo. :)

A noite, no mesmo dia, me encontrei com meus amigos. Ficamos sentados na beira do lago conversando. Foi muito divertido, rimos bastante.



Minha quarta despedida, foi na sexta-feira. Conversei com o Ju (meu namorado) e decidimos ir para Ribeirão Preto dar uma volta no shopping. Primeiro passamos nas minhas tias para eu me despedir delas. Pude ver meu priminho Rodolfo. Tiramos muitas fotos e nos divertimos demais! Ah, que saudade daquela pestinha que me chama de banana. :')




Foi uma pena eu não ter visto minhas primas Paula e Sandra.
Depois disso, fomos so shopping. Demos uma volta, almoçamos no Giraffa's e depois ficamos andando à toa. Meu pai 'precisava do carro pois tinha um compromisso às 21:00'. Mais pra frente vocês vão entender o porquê das aspas. Hahaha.
Tomamos sorvete, compramos uma aliança nova, conversamos muito.

Saímos do shopping eram quase 8 horas. Voltei dirigindo (milagrosamente minha mãe emprestou o carro dela para irmos à Ribeirão). E quando cheguei em casa minha mãe disse:
 - Mariana, corre que seu pai tá uma fera! Vocês demoraram muito. Não falei que era pra você estar aqui antes das oito e meia?
 - Mãe, desculpa.
Era quase nove horas.
Meu avô estava 'tentando arrumar a fechadura da cozinha'. E então ele disse pra mim:
 - Má, entra pela sala. A fechadura quebrou, eu não consigo abrir essa porta.
Ok. Até aí eu caí em tudo. Sou lerda. Sou distraída. Mas na hora que eu coloquei a mão na porta, e abri SURPRESA!!!
As pessoas mais importantes da minha vida estavam lá. Meus verdadeiros amigos, minha família, meus vizinhos. Minha segunda família. Meus bebezinhos. TODO MUNDO QUE EU QUERIA estava lá!
Eu não aguentei. Chorei tanto que não conseguia prestar atenção em nada. Uma faixa enorme tomava conta da sala. A parede estava cheia de fotos e estrelinhas. E todo mundo começou a cantar pra mim enquanto meu amigo Manoel tocava violão. Eu não sei explicar o que eu senti. Acho que uma dor muito forte invadiu meu peito. Pude ver como sou feliz por tê-los em minha vida. E tudo o que eu menos queria naquele momento era não ter mais que ir pro Canadá, porque assim eu não passaria um minutinho sequer da minha vida longe daquelas pessoas. Eles cantaram... Todos estavam segurando um papel com a letra da música. Minha madrinha chorava que nem louca, minha cunhada também. Minha mãe ficava me olhando com cara de saudade, meu pai não perdia um momento. Filmava e fotografava tudo. Meu namorado me abraçava, e eu não sabia o que fazer. Fiquei sem reação. Ficava olhando todas aquelas fotos, lembrando de todos aqueles momentos. Minha afilhadinha chegou em mim e disse:
 - Cê ta cholano, Bidi? Não chola não.
Ahhh. Quer coisa mais linda que isso? Um bebê de 2 anos e pouco chegar e consolar você? Foi aí que eu chorei mais...
Peguei ela no colo, e ficava ouvindo aquela música triste e pensando que dois dias depois estaria viajando para outro país para realizar meu sonho.







 "Ai ai ai ai tá chegando a hora
O dia já vem raiando, meu bem
Eu tenho que ir s´imbora
Ai ai ai ai tá chegando a hora
O dia já vem raiando, meu bem
Eu tenho que ir s´imbora"




Chorei. Chorei. Chorei. Chorei. 
Obrigada!
Mãe, pai, Mu, Bruno, Rafa, Mita, Vó, Vô, Ju, Gabi, Fer, Gustavo, Cida, Manoel, Rose, Cacilda, John, Vitória, Cidinha, Patropi, Zilda, Ivan, Carol, James, Juju, Tuli, tio Zé, Isa, Carol bitch, Gabi, Alvin, Zé, Julio, Gabriel. Sandra, Nancy... OBRIGADA!
Não só pela festa maravilhosa, mas por existirem em minha vida.

















Por serem parte da minha história. Por me apoiarem sempre, por serem tudo o que eu mais tenho de importante na minha vida. 
Eu hesitei. Eu pensei duas vezes. Eu quase me arrependi por ter que ir embora e passar um ano longe de todos vocês. Não fiz isso pois, mais uma vez, tive vocês ao meu lado me dizendo o quanto isso seria bom pra mim e o quanto vocês estavam torcendo por mim.
Eu amo todos vocês. De verdade, do fundo do meu coração.
Espero um dia poder retribuir tudo o que você me proporcionaram.
Mais uma vez, muito obrigada :')
Saudade. E muita!


quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Parabéns, pai!




Bem, pelo título vocês já puderam perceber que hoje é um dia muito especial para todos da minha família. É aniversário do pai mais coruja e gente fina.
Não há palavras para explicar como estou me sentindo agora. Lembra quando eu disse em outro post que havia uma mistura de sentimento dentro de mim?
Pois é. Hoje eu estou dividida. Ao mesmo tempo em que estou extremamente feliz, estou muito triste. Vou contar o que aconteceu hoje e vocês me entenderão.
Cheguei na escola e disse ao meu professor: "Glenn, hoje é aniversário do meu pai!" E ele disse: "Sério? Então vamos ligar para ele e cantar parabéns!". Se eu explicar como os canadenses e americanos são secos, vocês nunca iriam acreditar que o Glenn é canadense. Ele é o homem mais gentil e o professor mais 'paizão' que eu já conheci. Bom, continuando a estória... Tentei ligar para o meu pai do meu Nextel e adivinhem só? O rádio (não sei porqueeeeee) estava com a minha mãe! Hahaha. (FAIL). Falei para o Glenn: "O rádio não está com ele, e eu não consigo ligar para nenhum celular do Brasil do meu rádio... Mas obrigada mesmo assim." E, para a minha surpresa, ele disse: "Aqui está. Use meu telefone."  E eu: "Não Gleeeeen!!! Fica muito caro. É ligação internacional. Não precisa, obrigada!". Mas ele insistiu e disse: "Não me importo. O que eu quero é ver você e seu pai felizes hoje! É um dia muito especial para vocês. Então tome, ligue para ele." Ah, na mesma hora meus olhos se encheram d'água. Liguei correndo para meu pai e não sei o que houve que caiu no celular de outra pessoa.
Agradeci muito e liguei mais tarde do meu celular (pré-pago, daqui mesmo). E então, quando meu pai atendeu, eu só disse: "Pai, escuta!!!" E então todos os meus colegas cantaram parabéns para ele em inglês.
Acho que não preciso nem dizer o que aconteceu, né? Sim, meu pai chorou. Hahaha.
Meu coração explodiu de alegria porque eu consegui fazer algo especial mesmo estando longe dele.
Cheguei em casa, e a Dionie (minha mãe canadense) e a Debbie (minha irmã canadense) tiveram a mesma idéia. Liguei de novo, e elas cantaram. :')
Meu coração bateu bem forte quando percebi que meu pai gostou das 'surpresas'.
Mas... quando eu paro e penso que estou longe dele, que não posso abraçá-lo e encher o saco dele, fico triste na hora.
Eu e meu pai sempre fomos muito próximos. Temos uma amizade maravilhosa. E ele realmente é uma pessoa incrível. Vocês devem estar pensando: "Claro que ela pensa isso dele, ele é o pai dela, oras!".
Sim, isso é verdade. Independente dos defeitos de nossos pais, nós vamos sempre estar do lado deles, elogiando e dizendo como nós somos felizes por tê-los como pais.
Mas eu tenho inúmeros motivos para ter orgulho dele. Desde pequena tenho ele como meu ídolo, meu herói. É claro que nós temos nossos maus momentos. Somos seres humanos, cometemos erros que às vezes machucam as pessoas que nos amam. Mas tudo bem. Há muito mais momentos felizes do que tristes em nossas vidas.
E eu pude viver vários deles ao lado do meu pai.
Quantas viagens, quantas lembranças...
Quantos conselhos...
Quantas broncas...
Quanto amor.
Meu pai é um sujeito simpático, daqueles que você gosta logo na primeira vez que vê. É brincalhão, engraçado, extrovertido, companheiro. É aquela pessoa que você quer ter por perto pro resto da sua vida.
Ele me enche de orgulho. Ele é pai, marido, professor, aluno... É amigo, companheiro, confidente...


E hoje ele completa 51 anos.

É pai, você está ficando velho. Velho não, maduro... Como você diz, quem fica velho são os outros. Hahaha.
Agradeço por tudo o que você fez e ainda faz por mim. Pela nossa amizade. E, neste dia tão especial, quero lhe desejar tudo de melhor! Que Deus continue te abençoando e te iluminando. E que você seja ainda mais feliz.
Parabéns por ser essa pessoa maravilhosa. Parabéns por ter chegado onde chegou, por ter alcançado seus objetivos.

E, quando você olhar ao seu redor e ver quantas pessoas te amam, não se assuste. A culpa é toda sua. :)
Tenho muito orgulho de você, pai!
Obrigada por existir em minha vida.
E pai... Você é a estrela que mais brilha no meu céu. :')



Eu te amo, Pi.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Direto do Canadá - quando a melancolia predomina.

Olá!
Aqui estou depois de um tempinho. Tantas coisas aconteceram que não tive tempo de voltar ao blog.
Primeiro gostaria de agradecer o carinho de vocês. Muitas pessoas me disseram que leram minhas postagens aqui e pediram para que eu não parasse. Pode não parecer, mas isso é extremamente importante para mim.
Gosto de escrever sobre coisas da minha vida. Acontecimentos, sentimentos e tudo mais que me interessa.
Bom, ontem fez exatamente uma semana que eu estou no Canadá.
Moro em Toronto (como é estranho dizer 'moro', e não 'estou') agora. Estou fazendo um curso de administração, pois percebi que é isso que eu quero pra vida toda. Mexer com vendas, principalmente internacionais, me deixa animada, e me faz querer trabalhar :)
Num dia desses estava falando com meu pai pelo telefone, e então ele me disse: "Tudo que você faz, requer esforço, dedicação e sacrifício. Nada nessa vida é fácil, minha filha." Não mesmo.
Sou uma pessoa muito emotiva. Quem me conhece sabe que não é preciso muita coisa para me fazer chorar... Confesso que, quando falo com minha família pela internet e vejo todo mundo junto, meu coração retorce, dá um nó, meus olhos se enchem de lágrima. Mas eu me seguro. Afinal, choro é igual a bocejo, é contagioso. Um começa a chorar daqui, o outro começa de lá...
Quando me perguntam se estou com saudades de casa, a resposta não é tão óbvia assim. Meu coração está dividido ao meio. Ao mesmo tempo em que sinto saudades dos abraços apertados do meu irmão, das broncas da minha mãe, dos beijos melecados do meu pai, dos gritos da Sandra, e das rosnadas do Max, eu estou feilz por estar falando inglês todo dia, por estar estudando num país de primeiro mundo, por ter amigos de todos os cantos do mundo, por estudar administração internacional e por estar realizando meu sonho!
Dói. Dói muito. O único meio de comunicação com sua família é o walkie talkie, o telefone e a internet. E, acreditem, a pior parte é a hora que você pode vê-la pela webcam.
Você vê sua família num dia comum. Fazendo coisas do dia-a-dia. Comendo aquela comida que você comia todo dia. E às vezes é isso o que você mais deseja fazer. Voltar pro seu cantinho, pro seu mundinho, pra sua família. E ficar lá. Nunca mais sair.
Algumas pessoas dizem que só damos valor ao que temos quando estamos longe. Ok, eu concordo. Eu sempre dei valor às coisas que tinha. Sempre agradeci muito a Deus pelas oportunidades que tive, pela minha família, pelos meus poucos (e beeem poucos) amigos, pelo meu emprego... por tudo! Mas é claro que, quando estamos longe, nós começamos a lembrar de como era antes e a frase que vem a nossa cabeça é "Eu era feliz e não sabia!".
Saudade.
Eu acho essa palavra bonita. Mas maldosa. Muito maldosa. É uma chata. Não tem remédio, não tem receita, não tem macumba e nem oração que cure.
Tudo na vida tem sem lado bom e ruim. O lado ruim é inevitável. Então o que me resta é aproveitar o lado bom.

Peço desculpas se às vezes pareço meio depressiva. Quando não estou bem, desabafo aqui no blog :/
Mais uma vez, agradeço o carinho de vocês.
Tenho vários assuntos na cabeça pra postar aqui. Prometo voltar com algo mais alegre da próxima vez :)
Bom resto de semana a todos :)

domingo, 9 de janeiro de 2011

Parabéns, Bruno e Rafa!

Há exatamente treze anos, recebemos na nossa família duas joias: Bruno e Rafael. Minha madrinha estava lá, enooooooorme, carregando duas coisinhas pequenininhas no barrigão...
Não me recordo muito bem do dia do nascimento deles, mas me lembro de como eu adorava ir até a casa dela para 'ajudá-la' a tomar conta dos dois. Para quem não sabe, um filho já dá trabalho, imagina só dois! Hahaha.
Mas era um trabalho tããão gostoso...
E então, essas duas coisinhas cresceram. Entraram na escolinha... que alegria era vê-los dançar quadrilha em julho, ou fazer uma apresentação emocionante no dia das mães e dos pais... A apresentação de final de nao então! Um monte de criancinha lá cantando músicas de Natal, e a gente só conseguia prestar atenção neles...
Como era gostoso vê-los crescer... Cada desenho no papel, cada cartinha com a letrinha toda torta, cada gesto diferente que eles faziam, eu sentia uma alegria dentro de mim, como se estivesse ganhando um prêmio... Eu estava...
O prêmio de poder ver de perto cada conquista deles. Como eu tenho 8 anos de diferença dos dois, pude acompanhar cada fase, desde aquela em que eles começaram a engatinhar, até essa de chegar em casa como braço todo arrebentado dizendo que caíram da bicicleta...
Quando falamos em gêmeos, imaginamos duas criancinhas andando de mãos dadas com a roupa igual, cabelo igual, tênis igual... Tudo tão igual que só a própria mãe consegue identificar qual é qual.
Os dois foram diferentes. Nunca usaram a mesma roupa, mas estavam sempre juntos. E se você não os conhece, fica surpreso de ver como eles são diferentes...
Hoje, por ser aniversário dessas duas coisinhas que eu tanto amo, resolvi escrever um pouco sobre eles.




O Bruno nunca foi muito de conversar... Sempre correndo, brincando, jogando video-game... Um menino tímido, meio fechado... Pra arrancar um beijo dele, custava muito! Hoje, isso mudou um pouco... É muito bom poder jogar conversa fora com ele, mesmo que por pouco tempo. Eu não me lembro de conhecer alguém tão distraído e despreocupado como ele. E, por incrível que pareça, isso é uma qualidade...hahaha. Às vezes me pergunto se ele sabe o quanto eu gosto dele. Deve saber sim... O tanto que eu aperto, mordo, brigo, tiro sarro... Impossível não saber :D








O Rafael... senhor perguntinha... sempre querendo saber tudo. Um amigo, um companheiro pra todas as horas... Quantas vezes não ficou acordado comigo até tarde vendo filmes, ou conversando a toa? Como é bom a gente poder ter alguém assim na família... Um garoto de apenas 13 anos, tão maduro, tão adulto...
Seja para conversar sobre Internet, livros, celular, música, jogos, novidades...
Seja para ir ao supermercado, shopping, escola, trabalho, cinema, médico...
Para qualquer coisa que eu preciso... Ele sempre está de prontidão para me fazer companhia.



Como vou conseguir ficar longe de vocês dois? Como vou aguentar a saudade de não ter dois pestinhas me atormentando nos finais de semana? Como vou ficar tanto tempo sem poder morder vocês até deixar marca?
Vou sentir uma falta imensa de vocês dois...
Certa vez, sua mãe escreveu um recadinho em uma agendinha minha e citou a letra de uma música mais ou menos assim: "Se todos fossem iguais a você que maravilha viver". Pois é... Ela escreveu isso há muito tempo. Vocês nem estavam por aqui.. :)
E hoje, faço uso dessa letra para poder expressar o mais puro sentimento de amor e carinho que sinto por vocês.


Meus parabéns!
Que todos os seus sonhos se tornem realidade, e que a vida de vocês seja repleta de muita paz, saúde, harmonia, alegria e tudo de bom!
Continuem sendo esses garotinhos maravilhosos que são. Continuem sempre enchendo a casa de alegria e dando esse baita orgulho aos seus pais.


Não preciso nem lembrá-los de que, mesmo há milhares de km de distância, estarei SEMPRE 'aqui'. É só gritar que eu apareço pra qualquer coisa. :)






Eu amo vocês. E é pra sempre.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Família.

Comecei a ouvir uma música do Jota Quest e uma felicidade muito estranha tomou conta de mim.
Eu sei que não tenho visitas no meu blog, mesmo porque eu não posto muito. Mas me deu vontade de escrever aqui, e então eu vim! :)
Não chegeu a falar aqui, mas vou passar um ano no Canadá. Vou estudar e trabalhar por lá. Mas não vim falar disso.
A felicidade que tomou conta de mim não é por causa da viagem. Quem é meio família como eu sabe como é difícil ficar longe dos pais, avós, irmão, tios, primos... Eu fiquei apenas um mês e quase morri. Agora tõ arriscando ficar um ano. Um ano longe da minha casa, das broncas da minha mãe, dos beijos melados do meu pai, dos tapas do meu irmão, das noites com meu primo Rafa, das poucas (mas muito engraçadas) convesas com meu primo Bruno, das alfinetadas da Vó Neyde, do companheirismo do Vô Colombo, das longas conversas com o Vô Silva, das confissões com a Vó Therezinha, dos altos papos com meu padrinho, das zueiras com meu tio Zé, dos conselhos da minha madrinha.... Fora meus tios, que, mesmo não tão próximos, estão aqui pertinho de mim. E hoje eu sei que se me der saudade, eu pego um ônibus e vou ali dar um abraço neles.
Família...
Ter amizade com seu irmão, contar suas coisas pra ele, brigar e imediatamente fazer as pazes, chamar por apelidos que só vocês dois entendem e sabem a graça que tem... Irmão a gente não escolhe. Mas seu pudesse, escolheria o meu. :')
Aliás, família agente não escolhe. Mas eu fui encaixada na família certinha para mim.
Eu brigo, e muito, com a minha mãe. Mas que mãe não implica com a roupa curta, ou com uma blusa meio apertada, ou com a cara branca sem maquiagem (naqueles dias de preguiça que nem lápis no olho você passa), ou com o quarto desarrumado, ou com a hora que vc chega em casa aos sábados. A minha mãe faz isso. Por que?
Porque ela me ama, oras! Ela quer meu bem, eu sei disso. Ela é chata! Hahaha. Mas é a minha mãe! É a minha amiga, é a minha companheira, é a base da minha casa. Não sou nada sem ela, nunca seria nada sem ela. E o que eu sou hoje, foi fruto do esforço e dedicação dela.
Meu pai. Ah, meu pai. Sempre estressadinho, sempre ocupado... Quando vc menos espera, PÁ! Leva uma patada. Mas para onde vai o salário dele de todo mês? Faculdade, ônibus, mercado, escola, inglês, academia, viagens, meu intercâmbio! Hahaha. É tudo por mim e pelo meu irmão. TUDO! Sempre chega em casa com uma surpresinha. Desde um chiclete, até um baldão de pipoca. Só pra ter o gostinho de ver um sorrisão estampado na nossa cara. Muito emotivo ele, viu. Chorão! E adivinhem para quem eu puxei: HÁ! Coitado, sempre tiramos sarro dele em casa. Inventamos apelido, damos risada das bobeiras que ele fala. Meu pai, meu ídolo, meu herói.
Minha madrinha. Ah, a mita... (calma, tô chorando...) minha amiga. Ela é exageradamente legal. Sério! E me deu duas joias... Meus primos. Meus amores. Meus amiguinhos, meus aluninhos...
Isso é família.
Você só vê defeito nela... Mas quando está a mais de 10 mil km de distância deles, vc se lembra dos bons momentos... Daquele Natal que vocês passarm juntos, do Ano Novo... todo mundo se abraçando, assistindo à queima de fogos... desejando paz, saúde...
A família... Aquela que às vezes não nos orgulha muito pelas atitudes, mas ainda assim, é família!
Quando você menos espera, todos estão lá por você. Todos vão SEMPRE estar lá por você. Onde quer que seja, quando você precisar...


Temos também a família que escolhemos...
Meu pai costuma dizer que quando você se casa, você não se casa com seu namorado, mas sim com a família dele. Eu não sou casada. Mas se isso que meu pai disse é mesmo verdade, eu tô tranquila. Afinal, um dos lugares que mais me sinto bem, é junto da família do meu namorado.
Eles são diferentes de todo mundo que conheço. São mais felizes do que muita gente. E, assim como minha família, eu sei que quando eu precisar, todos eles estarão lá por mim... Um pai, uma mãe, uma irmã, um irmãozinho, e uma aFILHAda... Deus foi muito bonzinho comigo por colocá-los em minha vida. :')

Duas famílias, um amor pra vida toda, poucos (mas bons) amigos...
Não preciso de mais nada.
Dinheiro? Ah, para! Não há dinheiro que pague a minha felicidade por tê-los comigo hoje e sempre.
Eu estarei aqui para eles e por eles quando for necessário.

Família é isso. É briga, é amizade, é companheirismo, é amor.
E eu sou eternamente grata a Deus pela família que tenho.

Ela vai me fazer muita falta. Muita mesmo.
E se eu conseguir ficar longe deles por um ano, acho que serei a pessoa mais vitoriosa desse mundo.

:')